sábado, 23 de maio de 2009

É atráves da educação que se liberta a nação


analfabeto "pulitico"

Necessidade faz aluno abandonar o supletivo

Rio de janeiro (folhapress) - Para um país que ostenta altas taxas de repetência e evasão, um caminho natural para acelerar a escolarização seria a educação de jovens e adultos (antigos supletivos). No entanto, uma pesquisa divulgada ontem pelo IBGE mostra que 43% dos 8 milhões de brasileiros que já frequentaram esses cursos não os concluíram. Os motivos mais citados para o abandono foram a falta de horário compatível com o trabalho (28%) ou com os afazeres domésticos (14%). Esta foi a primeira vez que o instituto investigou, a partir da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios de 2007, especificamente este segmento, além da educação profissional.

Presença
A pesquisa informa que a frequência a cursos de alfabetização de adultos em setembro de 2007 era de apenas 547 mil pessoas. O País tem 14 milhões de analfabetos. Para o secretário de Educação Continuada, Alfabetização e Diversidade do MEC, André Lazaro, é natural que a evasão em supletivos seja maior do que em outros níveis, pois se trata de um público que precisa conciliar trabalho e estudos. Mas ele admite que é preciso melhorar a qualidade dos cursos, ainda pouco atraentes e com metodologia ultrapassada, e, mais importante, atrair mais pessoas de volta à sala.


Qualificação

Tanto nos cursos técnicos quanto nos cursos de qualificação profissional, o IBGE mostra que a maior parte dos estudantes está em instituições particulares, incluindo aí ONGs, sindicatos, filantrópicas e com fins lucrativos. No caso de cursos de qualificação profissional, a rede privada chega a ser a maioria (55%), com o sistema S (Sesi, Senai, Senac e outros) representando 23%, e o poder público, 18% apenas. A presença de municípios, Estados e União cresce no caso dos cursos técnicos e o porcentual de matriculas chega a 42% do total. No entanto, a maior proporção (45%) continua sendo particular. Nesse nível, o sistema S tem apenas 12% das matrículas

Nenhum comentário: