sábado, 16 de maio de 2009

Relatório do PNUD


Manaus crianças estudam sentadas no chão

Notícias da Globo


Brasileiros definem tema de relatório do PNUD sobre condições de vida
População disse à ONU quais são os principais problemas do país.
Educação está no topo da lista de protestos.


O relatório que o Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD) prepara sobre as condições de vida da população e sobre o que precisa melhorar mudou: os próprios brasileiros definiram

Foi como se 500 mil pessoas recebessem uma folha de papel em branco: o que precisa mudar no Brasil para a vida melhorar de verdade? O método da pesquisa é inédito. Ouvir não só o que está errado, mas como e o porquê do erro. Uma espécie de desabafo.

“É como se o brasileiro tivesse sentado no divã”, afirma Flavio Comim, representante do PNUD. São muitas reclamações. Faltam médicos nos hospitais, sobram mordomias para os políticos.

No topo da lista de protestos, está a educação. Falta de qualidade no ensino. Aprender às vezes é uma tarefa difícil. Não só as disciplinas em sala de aula. Mas outra lição: os valores da juventude. “Fica um xingando o outro, respondendo o professor”, conta a estudante Bárbara Nunes. Com isso, a rotina pode mudar, pra pior. “Aqui na escola, já teve até caso de achar canivete com aluno”, afirma o estudante Felipe Santana.

pesquisa Professores desmotivados são principal problema da educação, diz pesquisa
--------------------------------------------------------------------------------
A violência também é um dos fatores que mais preocupa. E não só nas escolas. Dentro de casa. O menino que é maltratado em casa sempre é aquele aluno ruim, que briga, que participa de gangues, por exemplo”, diz Leon de Oliveira, também estudante.

Mais do que culpar o governo e o Congresso, os brasileiros fizeram uma autocrítica. Avaliaram o que cada um pode fazer para resolver os problemas. A missão agora é elaborar um relatório. Bem diferente desses que ficam guardados, esquecidos nas estantes. Um documento destinado à população, para melhorar a qualidade de vida na prática.

Nenhum comentário: