sábado, 2 de janeiro de 2010

AS "PROMESSAS" DO NEGÃO?



NEGÃO DISSE QUE 'GOVERNARIA MANAUS DENTRO DE ÔNIBUS'

O prefeito de Manaus, Amazonino Mendes (PTB), fecha o seu primeiro ano de gestão com um saldo de mais de 20 que ainda não saíram do papel, e várias medidas impopulares, que vão da redução do número de meias-passagens, passa pelo aumento de cargos comissionados e desemboca na criação da taxa do lixo.

A lista de promessas que não saíram da prancheta incluem:

O bolsa família municipal,

Criação de mil creches solidárias,

Móvel, UTI na maternidade Moura Tapajós,

Internet nos bairros,

Laboratórios de informática,

Fim do turno intermediário,

Renovação da frota de ônibus,

Duplicação das equipes do Médico da Família,

Shopings de entretenimentos,

Construção de casas populares para garis e professores,

Redução de cargos comissionados.

Uma das críticas do então candidato Amazonino ao antecessor era a “gastança” da prefeitura com os comissionados. “A prefeitura tem uma folha perto de R$ 70 milhões. O absurdo não é pagar funcionário público, mas gastar com cargos comissionados e secretarias desnecessárias para acomodar acordos políticos”, declarou Amazonino em entrevista a A CRÍTICA no dia 19 de outubro de 2008.

Na reforma administrativa aprovada em fevereiro, Amazonino enxugou o número de secretarias de 36 para 27. E baixou a quantidade de subsecretarias de 40 para 27. Pegou o município com 1.565 cargos de confiança. Porém encerra 2009 com 1.668 cargos de comissão. Isso porque, no pacote de medidas aprovado às pressas na última sessão do ano da CMM, a prefeitura emplacou a criação de 252 postos de livre nomeação.

Demonstrativo postado no site do Tesouro Nacional mostra que os gastos com a folha de pagamento em 2008 totalizaram R$ 814,9 milhões, média de R$ 67,9 milhões/mês. De setembro de 2008 a agosto de 2009 (último mês da gestão de Amazonino informado ao Tesouro) esse valor subiu para R$ 866 milhões. Uma média de R$ 72,1 milhões/mês. Planilha no site da prefeitura indicaR$ 74,6 milhões de despesa com pessoal em novembro último.

No mundo da lua

Durante a campanha eleitoral de 2008, o então candidato Amazonino Mendes prometeu que, se fosse eleito, governaria Manaus perto do povo, dentro de um ônibus que percorreria os bairros da cidade.

Internet

Amazonino também disse que levaria Internet de graça para os bairros em carretas. O projeto demonstrou-se inviável. “Essa não foi a melhor solução segundo avaliação dos técnicos da Prefeitura. de Manaus. A prefeitura está em negociação com empresas do ramo para ver qual o melhor sistema. em 2010, vamos trabalhar para colocar um bom sinal em todos os pontos públicos, escolas, unidades de saúde”, disse a Semcom.

A renovação de 80% da frota de ônibus é uma das promessas do prefeito que ainda não ocorreu. Mas em agosto Amazonino autorizou o reajuste da tarifa de R$ 2,00 para R$ 2,25. O aumento seria a contrapartida para as empresas renovarem 10% da frota até novembro, 30% até 15 de março de 2010 e 100% até 15 de julho do mesmo ano. As empresas também engordaram sua receita com a diminuição de meias-passagens.

A duplicação das equipes do programa Médico da Família é outro compromisso de campanha não-cumprido no primeiro ano de mandato. De acordo com a Semcom, a prefeitura vai substituir as 158 casinhas do Médico da Família em módulos com 400 metros quadrados. Até 2013, a meta da administração Amazonino é implantar 90 dessas estruturas.

No primeiro ano de gestão, Amazonino também não implantou as unidades móveis de saúde, carretas com equipamentos médicos que atenderiam nos bairros. O projeto, segundo a Secretaria Municipal de Saúde (Semsa), será colocado em prática em 2010 porque em 2009 não havia previsão no orçamento aprovado pela gestão anterior.

CUIDADO EM 2010 VEM MUITAS MAIS 'PROMESSAS'

* A população vota acreditando nas promessas de campanha. "É muito comum os governantes apresentarem promessas como propostas. Mas é preciso analisar para ver se as promessas são viáveis. Para ganhar eleição, muitas vezes, fala-se qualquer coisa". Ele lembra que todos os dias a população é massacrada com a prestação de serviços público que deixa a desejar, seja na área da educação, do transporte, da saúde e do saneamento básico. "A Prefeitura ainda não conseguiu resolver em definitivo os buracos das ruas, bem como a drenagem e o esgoto. Hoje, tampam-se os buracos, mas amanhã já estão abertos novamente. Além disso, todos os dias, presenciamos nas ruas coletivos 'no prego'. Isso é um atentado à dignidade das pessoas. Ser prefeito de uma cidade não é só prometer. Tem que cumprir as promessas em forma de propostas".
Fonte: Acrítica

Postado:Prof.Sérgio

Nenhum comentário: